sábado, 26 de abril de 2014

Iracema

Iracema


         A obra Iracema de José de Alencar narra o trágico romance entre Iracema, a virgem dos lábios de mel, e Martim, o primeiro colonizador português do Ceará. Após um acidente Martim é recebido pela tribo dos Tabajaras, onde vivia a jovem Iracema.
          Na trama Iracema e Martim se apaixonam e fogem para viverem o amor proibido, juntos levam o guerreiro Pitiguara Poti, amigo que Martim considerava como irmão.
     Ao perceberem a fuga, os Tabajaras perseguem os amantes travando um combate sangrento ao encontrá-los. Desesperados, os três vão para uma praia deserta, na qual Martim e Iracema constroem uma cabana. Mas, passando-se alguns tempos, Martim resolve ir guerrear junto com os Pitiguaras e com seu amigo Poti, deixando Iracema grávida na cabana. Antes de Martim voltar para a tribo, Iracema dar à luz a um menino. Após o parto ela fica gravemente debilitada e acaba morrendo. Martim chega logo depois, e ao ouvir o canto triste da Jandaia (ave que sempre acompanhava Iracema), presencia a tragédia.
          Ele retorna para sua terra natal levando o filho consigo. Porém, quatro anos depois, voltam para o Ceará, onde implantam a fé cristã.
           
                           Biografia do Autor



          José de Alencar (1829-1877) nasceu em Messejana, no município de Fortaleza, a 1º de maio de 1829. Filho de José Martiniano de Alencar e Ana Josefina de Alencar.
                Foi jornalista, jurisconsulto, político, orador parlamentar, teatrólogo e romancista. Uma das maiores expressões da Literatura Brasileira, em todos os tempos, é a grande figura do nosso romantismo. Sua obra compreende romances históricos, citadinos, regionais e indianistas, destacando-se O Guarani, Iracema, O Sertanejo, O Gaúcho, Guerra dos Mascates, Ubirajara, Lucíola, Diva, Senhora, O Tronco do Ipê, Til e Pata da Gazela. É talvez o escritor que mais se aproxima do povo, pelo sentimento, pelos temas e pela linguagem. Faleceu em 12 de dezembro de 1877. 






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os dois lados da moeda

                                                                           Texto: Prof. Ednardo Junior Não sei se é incomp...